barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

8
Veja detalhes

 

Vitaminas na Saúde e Atividade Física

 

  • Vitaminas

Marcelo Calazans

Elaborado em 13/04/2017

 

RUSSI, MC. Vitaminas na saúde e atividade física. Matérias Musculação, São paulo, abr. 2017.

 

As Vitaminas são micronutrientes importantes para a saúde humana, pois a sua ingestão é necessária para manter muitas das funções metabólicas do nosso corpo funcionando em harmonia[1].

 

A carência na ingestão de Vitaminas, pode conduzir nosso corpo a um estado de carência nutricional, podendo nos levar a ter problemas de saúde. Várias patologias são associadas a carência nutricional causada pela deficiência de Vitaminas[1].

 

O exemplo mais clássico de doença causada pela falta de alguma vitamina já documentado, deve ser o caso do escorbuto, que se caracteriza pela falta de vitamina C (ácido ascórbico)[2].

 

O escorbuto era uma doença muito característica dos navegadores da antiguidade, pois na antiguidade nos navios que cruzavam os mares, não era comum que eles levassem a bordo alimentos ricos em vitamina C, como frutas e vegetais[3].

 

Nas navegações da antiguidade o risco de morte em viagens marítimas era grande, e muitos membros das tripulações sabiam que cerca de metade deles apenas, conseguiam voltar com vida, e isso não por casa de mortes causadas por conflitos físicos ou assassinatos, e sim pela chance de contraírem o escorbuto, que era uma famosa doença dos marinheiros que chegava a matar quase 2 terços da tripulação de um barco na idade antiga[2].

 

No início as pessoas demoraram para associar o escorbuto com a carência nutricional que havia a bordo nos navios, que no caso era a carência da vitamina C, pois nesta época, ainda não era comum associar a falta de Vitaminas diretamente com as doenças.

 

Com o avanço atual da nossa ciência, nos dias atuais é possível associar doenças às mais variadas carências de Vitaminas.

 

Para se ter uma saúde equilibrada dentro do ponto de vista nutricional, um importante fator, é ingerir a quantidade recomendada diariamente de todas as Vitaminas.

 

Todas as Vitaminas possuem a sua IDR (ingestão diária recomendada)[4], que nada mais é do que a quantidade correta de cada vitamina que uma pessoa deve ingerir diariamente para colaborar com a saúde do seu corpo.

 

Segundo a ANVISA (agência nacional de vigilância sanitária), através da consulta pública nº 80 de 13 de dezembro de 2004 (D.O.U de 17/12/2004)[5], ficou determinada a IDR diária das principais Vitaminas conforme mostra a relação abaixo:

 

• Vitamina A - 600 mcg

 

• Vitamina B1 - 1,2 mg

 

• Vitamina B6 - 1,3 mg

 

• Vitamina B12 - 2,4 mcg

 

• Vitamina C - 45 mg

 

• Vitamina D - 5 mcg

 

• Vitamina E - 10 mg

 

• Vitamina K - 65 mcg

 

Na nossa alimentação diária, ingerimos dois grupos de nutrientes, os micronutrientes e os macronutrientes.

 

As Vitaminas fazem parte do grupo denominado micronutrientes[1].

 

Fazem parte do grupo dos macronutrientes o carboidrato, a proteína e a gordura, e eles tem uma característica que ajuda a distingui-los dos micronutrientes (vitaminas), pois eles são calóricos (possuem calorias)[6], enquanto que as Vitaminas, não são.

 

A proteína e o carboidrato têm aproximadamente 4 Kcal por grama, enquanto que a gordura, tem aproximadamente 9 kcal por grama[6].

 

Todo excedente calórico ingerido, que não for utilizado pelo corpo ao longo do dia, que pode ser ingerido na forma de carboidratos, gorduras ou proteínas, terá a tendência de ser acumulado pelo corpo na forma de depósito corporal de gordura.

 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define como gordura corporal, todo o excedente calórico ingerido na forma de calorias[7], portanto, isso responde a uma pergunta que é muito comum de vermos, e podemos com isso afirmar então que Vitaminas não engordam, pois elas não têm o potencial de causar aumento na gordura corporal de forma direta, pois elas não possuem calorias para colaborar no aumento calórico diário.

 

Por definição, podemos dizer que as Vitaminas são compostos orgânicos presentes nos alimentos que não podem ser fabricados pelo corpo, e nosso corpo necessita de uma pequena quantidade de todas elas todos os dias[8]. Como compostos orgânicos, elas atuam como coadjuvantes em diversas funções metabólicas do nosso corpo, e a falta de alguma delas, pode afetar a forma como importantes funções fisiológicas do nosso organismo atuam.

 

A IDR (ingestão diária recomendada) de cada vitamina também existe, para que a pessoa possa se basear e não ingerir doses de Vitaminas além do necessário.

 

Pois a ingestão de altas doses de Vitaminas, muito além da IDR, pode causar algo denominado por hipervitaminose.

 

Hipervitaminose se caracteriza pelo excesso na ingestão de Vitaminas, que não é indicado, pois pode intoxicar o organismo[9]. O ideal é sempre na dúvida, consultar um profissional da área médica.

 

As Vitaminas podem ser divididas em Vitaminas lipossolúveis e hidrossolúveis.

 

Podemos incluir no grupo das Vitaminas lipossolúveis as Vitaminas A, D, E e K, e para as hidrossolúveis, podemos citar como exemplo as Vitaminas do complexo B e a vitamina C[10].

 

A solubilidade das Vitaminas confere a elas características específicas, como por exemplo a forma como são absorvidas e armazenadas pelo corpo[2].

 

Assim como outras formas de gordura, as Vitaminas lipossolúveis são transportadas para o sangue através do sistema linfático, enquanto que as Vitaminas hidrossolúveis, são geralmente absorvidas diretamente pela corrente sanguínea[2].

 

Outra característica é que as Vitaminas hidrossolúveis não formam grandes estoques de armazenamento no corpo, e são expelidas pelo nosso organismo com mais facilidade, enquanto as lipossolúveis, são geralmente armazenadas no fígado e tecido adiposo.

 

Por esse motivo, é que a chance de termos uma hipervitaminose de Vitaminas lipossolúveis, é bem maior.

 

A hipervitaminose mais clássica provavelmente é aquela apresentada pelo excesso de vitamina A, cujo os sintomas podem ir desde uma leve dor de cabeça, até sintomas mais graves na intoxicação aguda que incluem prurido, lesões cutâneas, aumento do fígado e do baço entre outras[11].

 

Os aspectos colocados acima, se executados corretamente, podem levar a pessoa a ter um corpo saudável, e como a maioria dos nossos leitores são praticantes de musculação e de atividades físicas, é importante deixarmos registrado, que uma boa e equilibrada dieta que venha a prover as quantidades necessárias de Vitaminas, é de fundamental importância para se obter o tão sonhado resultado.

 

Muitos dos processos fisiológicos que acontecem em nosso corpo como resultado de uma atividade física ou musculação, tem a ação das Vitaminas atuando como coadjuvantes em diversas dessas funções metabólicas.

 

Portanto, um equilíbrio correto nas dosagens de Vitaminas no corpo de um praticante de atividades físicas é de extrema importância, e na dúvida, se você está ou não com uma dieta balanceada, ou se precisa de um suplemento vitamínico, consultar um nutricionista ou um médico, é sempre a melhor saída.

 

Com essa matéria de hoje, nós damos início a uma série de postagens aqui no "Matérias Musculação", e iremos explorar muito esse assunto das Vitaminas.

 

Nas próximas semanas estaremos falando mais especificamente sobre os tipos de Vitaminas e suas características específicas, e iremos postar semanalmente matérias sobre tudo que envolve as Vitaminas do complexo B e as Vitaminas A, C, D e E.

 

Fiquem ligados para acompanhar!

 

Referências:

 

1 - Velasquez-Melendez, Gustavo et al . Consumo alimentar de Vitaminas e minerais em adultos residentes em área metropolitana de São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 31, n. 2, p. 157-162, abr. 1997.

 

2 - Nutrição - Frances Sienkiewicz Sizer, Eleanor Whitney, 2003.

 

3 - Vencendo a morte: como as guerras fizeram a medicina evoluir, Orlando,J. M., 2016.

 

4 - A Imagem Certa Para Emagrecer - Howard M. Shapiro, 2004.

 

5 - Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Consulta Pública nº 80, de 13 de dezembro de 2004, D.O.U de 17/12/2004 [link] acessado em 13/04/2017.

 

6 - Câncer - O Poder Da Alimentação Prevenção E Tratamento, Caroline Bergerot, 2006.

 

7 - Segurança Alimentar e Nutricional, Cassiano Oliveira da Silva, Daurea Abadia De-Souza, Grazieli Benedetti Pascoal, Luana Padua Soares, 2015.

 

8 - Tratado de fisiologia Medica, Arthur Clifton Guyton, John E. Hall, Arthur C. Guyton, 2006.

 

9 - Nutrição muito além da alimentação: acerte nos hábitos mais que nos alimentos, Bachi,Georgia, 2016.

 

10 - Saúde da Mulher e Enfermagem Obstétrica, Deitra Leonard Lowdermilk, Shannon E. Perry, 2011.

 

11 - Nelson Tratado de Pediatria, Robert Kliegman, Bonita M.D. Stanton, Joseph St. Geme, Nina F Schor, 2014.

 



 

química