barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

108
Veja detalhes

 

Médicos não podem receitar Anabolizantes com finalidade estética

 

  • Médicos não podem receitar Anabolizantes

Marcelo Calazans

Elaborado em 27/07/2016

 

O parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM nº 19/13 - acessado em 25/03/19), redigido por Júlio Rufino Torres, em Brasília no dia 22 de agosto de 2013, diz que não é aceito que médicos receitem esteroides anabolizantes androgênicos com a finalidade de obtenção de melhoria físico estética (crescimento muscular), e que seu uso, é destinado apenas para tratamentos clínicos.

 

Como já colocado aqui muitas vezes, os esteroides anabolizantes foram todos pesquisados, sintetizados e inicialmente comercializados por laboratórios farmacêuticos, com a finalidade de cura, tratamento de doenças e problemas de saúde. Detalhes e referências sobre isso, podem ser lidas na matéria abaixo:

 

Esteroides Anabolizantes no Tratamento de Doenças

 

Medicina Anabolizantes

 

Sabemos que as enfermidades são classificadas pelo CID - Código Internacional de Doenças, e que cada doença específica tem o seu código correspondente no CID, pois bem, sabemos também através da lei nº 9965, de 27 de abril de 2000, que toda receita médica para a compra de um medicamento esteroide anabolizante nas farmácias e drogarias, deve conter o CID, como cita abaixo o parágrafo único dessa lei:

 

"Parágrafo único. A receita de que trata este artigo deverá conter a identificação do profissional, o número de registro no respectivo conselho profissional (CRM ou CRO), o número do cadastro da pessoa física (CPF), o endereço e telefone profissionais, além do nome, do endereço do paciente e do número do Código Internacional de Doenças (CID)."

 

Se o médico neste caso, é obrigado a informar na receita o CID (Código Internacional de Doenças), gostaríamos de saber, como ele emite uma receita de um medicamento esteroide anabolizante, apenas com a finalidade de crescimento muscular, se o paciente na realidade, não tem doença nenhuma? Sendo que aquilo que os “pacientes” querem na maioria das vezes, é somente usar um esteroide anabolizante visando crescimento muscular.

 

Eles usam uma estratagema hábil para isso, pois muitos usam o CID E88, que traz na descrição da doença (CID) "outros distúrbios metabólicos", como mostra o trecho abaixo de uma receita médica de anabolizantes prescrita por um médico, que não vamos identifica-lo, pois nossa função aqui, não é ficar acusando:

 

Receita

 

Existe também a questão relativa ao envelhecimento, e podemos para isso, citar a resolução do CFM Nº 1.999/2012 (Publicada no D.O.U. 19 out. 2012, Seção 1, p. 139), na qual é colocada que a "falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento".

 

O tratamento de reposição hormonal, apenas poderia ser receitado, se verificado pelo médico uma carência daquele hormônio no paciente, e a prescrição, portanto, deve ter apenas a dose suficiente para repor, e não ultrapassar os parâmetros normais daquele hormônio.

 

Pelo citado acima, um médico, seja ele de qual especialidade for, não poderia de forma alguma receitar um medicamento esteroide anabolizantes para seu paciente, se o problema do paciente for apenas a melhora do perfil físico estético (crescimento muscular).

 

Outra questão que envolve os médicos e a melhora da estética física, está ligada à questão do emagrecimento, e como exemplo, podemos citar o uso da sibutramina.

 

A sibutramina está indicada apenas para o tratamento da obesidade, ou seja, quando a perda de peso está clinicamente indicada, que ocorre quando o excesso de gordura pode causar problemas clínicos, apresentando assim, uma obesidade com grau de risco elevado (Pharmacia Brasileira nº 80 - fevereiro/março 2011 - acessado em 25/03/19).

 

Nestes casos, a pessoa geralmente não perde peso apenas com medidas não farmacológicas, e o uso medicamentoso pode ser necessário. Mas não nos casos, em que a sibutramina é receitada às pessoas que querem apenas ficar "mais esbeltas".

 

Mas aí, entramos em uma outra questão, e estamos apenas expondo os fatos. Nossa intenção não é fazer o papel de acusadores e juízes, e essa outra questão que colocamos, está relacionada com o uso de procedimentos médicos para fins estéticos (cirurgias plásticas).

 

Sabemos que existe a cirurgia plástica reconstrutiva, que é definida como um procedimento cirúrgico para correção de deformidades ou má formação que envolvem aspectos reparadores, e sabemos também do uso hoje em dia, da cirurgia plástica que visa apenas caráter estético, em que não há deformidade e nem má formação nenhuma para se reconstruir, e temos as estatísticas de problemas associados a esses processos, inclusive de óbitos.

 

Porque então, um delicado e perigoso procedimento cirúrgico, que visa apenas a estética física pode ser realizado, e o uso de fármacos, como os medicamentos esteroides anabolizantes para melhoria estética, não é aceito? Não estariam ambos no mesmo patamar? Pois em ambos os casos, as pessoas não precisavam nem de cirurgia plástica, e nem de usar esteroides anabolizantes.

 

Entendemos e concordamos com o parecer colocado acima do Conselho Federal de Medicina, citando que quando não há disfunção clínica no paciente, não é recomendado pelo conselho, que fármacos esteroides anabolizantes sejam utilizados apenas para se obter melhorias físicas e estéticas.

 

Mas, e a cirurgia plástica que visa apenas caráter estético? Ela também não tinha necessidade de ser empregada, visto que o paciente não tem anormalidade nenhuma a ser corrigida, e apenas quer também, obter melhorias físicas e estéticas.

 

Obviamente, não nos cabe a função de legislar, mas percebemos uma certa discrepância nas leis que regulamentam os assuntos relativos a estética física.

 

Essa discrepância, na nossa opinião, agrava a saúde das pessoas no que se refere a procura por procedimentos legais ou ilegais, para se tentar obter a tão sonhada melhora na aparência física.

 

Uma coisa que gostaríamos de colocar aqui, é que tudo isso nos entristece muito, pois a quantidade de pessoas que buscam utilizar um esteroide anabolizante de forma ilegal sem necessidade nenhuma, acaba tornando tudo assustador até demais. Para essas pessoas, nós sugerimos a leitura de uma antiga postagem nossa:

 

Os Iniciantes e a Ilusão dos Anabolizantes

 

Iniciantes e a Ilusão dos Anabolizantes

 



 

química