barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

74
Veja detalhes

 

Intolerância à Lactose e consumo de Leite - Guia Prático

 

  • Leite e Lactose

Marcelo Calazans

Elaborado em 21/01/2017

 

RUSSI, MC. Intolerância à lactose e consumo de leite. Matérias Musculação, São paulo, jan. 2017.

 

A principal fonte de energia do corpo humano é o carboidrato (CHO), ou como também é conhecido, hidrato de carbono (HC)[1].

 

Existem diversos tipos de carboidratos, e podemos citar alguns:

 

- Amido, que é o principal carboidrato de reserva presente nas plantas[2], e constitui importante fonte de energia para o corpo vindo da alimentação[3];

 

- Frutose, que é o principal carboidrato das frutas[4];

 

- Sacarose, que é o carboidrato presente no açúcar de cozinha[5].

 

Temos muitos tipos de carboidratos presentes na natureza e na nossa alimentação, e um outro carboidrato comum presente no leite, é a Lactose.

 

A lactose é um carboidrato dissacarídeo composto por glicose e galactose, e é um carboidrato que existe exclusivamente no leite, e que é produzido pelas glândulas mamárias dos mamíferos[6].

 

Para que os carboidratos possam ser digeridos, eles devem ser quebrados em partículas sempre menores, afim de finalmente serem absorvidos pelo trato gastrointestinal, e essa quebra é feita pelas enzimas.

 

Carboidratos mais complexos, como por exemplo o amido, são quebrados em carboidratos menores pela ação da enzima amilase salivar e também pancreática[7].

 

Desta forma, podemos dizer que a digestão do amido começa pela boca, através da atuação da enzima amilase contida na saliva.

 

Os outros carboidratos também precisam ser quebrados em partículas menores para que possam ser absorvidos pelo trato digestivo, que é o caso da sacarose.

 

A enzima sacarase, produzida no intestino delgado[8], é a responsável pela quebra da sacarose em partículas menores[9], e assim ocorre também com os outros carboidratos, inclusive com a lactose.

 

No caso da lactose, é a enzima lactase produzida no intestino delgado[8], a responsável pela quebra da lactose[11], fazendo com que o carboidrato lactose possa ser quebrado em unidades menores, a fim de ser absorvido pelo trato gastrointestinal.

 

A intolerância à lactose, ou hipolactasia, nada mais é do que a diminuição da enzima lactase, o que impede que o trato gastrointestinal possa digerir a lactose[11].

 

Muitas pessoas colocam, que a lactose é um carboidrato exclusivo do leite, e não seria de se espantar então, que a natureza preparasse o corpo dos mamíferos para poder digerir a lactose no período da amamentação, que é mesmo o que parece ocorrer.

 

Pois nos bebes humanos saudáveis, a atividade da enzima lactase é alta, e logo após o término do período de amamentação, acontece uma redução na atividade da enzima lactase, que não tem ainda seu meio de ação bem esclarecido[12].

 

Já nos adultos ocorre o que se chama de polimorfismo genético, que influencia o gene responsável pela lactase, que dependendo de como atua, define a atuação da enzima lactase em cada indivíduo adulto[12].

 

Nos adultos, essa pode ser a base para a explicação do porquê alguns possuem maior ou menor tolerância a lactose.

 

Mas a intolerância à lactose (hipolactasia), também pode ter outra origem.

 

Ela pode ser causada por alguma disfunção, que pode ir desde doenças que causam algum dano na mucosa do intestino delgado, ou alguma desordem que aumente significativamente o tempo de trânsito intestinal, como acontece nas enterites infecciosas, doença celíaca entre outras, mas nesse caso a intolerância à lactose, pode ser algo transitório e reversível[11].

 

Os sintomas da intolerância à lactose vão desde uma distensão abdominal até casos de cólicas, flatulência e diarreia, e podem ocorrer algumas horas após a ingestão de leite e seus derivados[13].

 

Alergia ao leite de vaca

 

Alergia alimentar é um termo utilizado para descrever reações adversas a alimentos, que são reações dependentes de mecanismos do sistema imunológico[14].

 

A alergia é uma manifestação exagerada do sistema imunológico, que geralmente acontece devido a ação de substâncias potencialmente inofensivas[15].

 

O sistema imunológico é na verdade um mecanismo de defesa do nosso corpo, que atua contra invasores externos, como os fungos, vírus e bactérias. Mas em determinadas situações, o sistema imunológico de forma errática classifica substâncias inofensivas como invasores potencialmente perigosos[15], e é isso que desencadeia uma reação alérgica.

 

As pessoas as vezes confundem a intolerância à lactose, que é causada por uma menor ação da enzima lactase, com alergia alimentar.

 

Para o público desprovido de treinamento específico, é bem comum se confundir isso, portanto, é de suma importância nestes casos, que se procure a orientação de um profissional da área de saúde para identificar a raiz do problema.

 

Devemos ter cuidado, pois as reações alérgicas podem ser muito mais perigosas do que uma intolerância à lactose.

 

Leite, consumir ou não consumir? As controvérsias

 

Pelo que já foi citado até agora, ficou claro que realmente existem pessoas que por um problema no seu organismo, acabam por possuir uma restrição direta ao consumo de leite, e que não devem ingerir leite e seus derivados, que é o caso das pessoas que tem a intolerância à lactose ou podem demostrar alergia alimentar ao leite.

 

Mas e quanto aos outros? Que não possuem restrições diretas ao consumo de leite, eles poderiam consumi-lo sem problemas?

 

É comum no mundo do fitness e da boa forma, vermos pessoas citando que o leite pode ser prejudicial. Já vimos pessoas e atletas envolvidos nesse mundo, dizendo que existe uma tendência de pensamento de que o leite pode engordar, reter líquidos além de colaborar com o desconforto gástrico e a flatulência, e isso devido a lactose, caseína e betalactoglobulina[6].

 

A atleta fitness Eva Andressa em seu livro[6], coloca que ela realmente tinha como prática em épocas de competição, eliminar da alimentação coisas como a lactose e a frutose.

 

É comum escutar isso de outras musas fitness conhecidas, como já dito pela musa Nathália Thomazetti.

 

Mas há pessoas que realmente fazem críticas ao leite como alimento, mesmo quando usado por pessoas que não tem alergia ao leite, intolerância à lactose e que não buscam boa forma fitness, e se tornou até comum em alguns meios, críticas severas ao leite.

 

Alguns justificam as críticas, pelo fato do ser humano ser aparentemente o único mamífero do planeta que mesmo depois do desmame, quando adulto, continua a ingerir o leite normalmente na dieta.

 

As críticas ao leite ainda se agravam, quando algumas pessoas citam, que pelo fato de cada espécie animal ter o seu leite materno específico, que não seria então adequado o ser humano ingerir leite de outras espécies animais, como ocorre com o leite de vaca.

 

Mas sabemos que o leite e seus derivados merecem destaque por fazerem parte de um grupo de alimentos de grande valor nutricional, e são fontes de proteína de alto valor biológico, vitaminas e minerais que não podemos desconsiderar[16].

 

O consumo de leite e seus derivados está relacionado com a boa prática de ingestão de muitos nutrientes importantes, entre eles o cálcio que, dentre uma de suas funções, é de fundamental importância para a formação e manutenção da estrutura óssea do nosso corpo[17].

 

Conclusão

 

Não cabe a nós na nossa postura e ética, dizer aos nossos leitores se devem ou não consumir leite e seus derivados, pois é possível que alguns de nossos leitores possuam realmente alguma intolerância à lactose ou possam manifestar reações alérgicas ao leite.

 

Agora quanto aos nossos leitores que não possuem condições especiais, e que poderiam consumir o leite como alimento, não nos cabe também ditar regras de consumo, e dizer que ele é essencial devido à sua composição nutricional, e nem ficar polemizando e colocar empecilhos criticando todas as formas de consumo de leite.

 

Nossa função aqui não é polemizar, e sim informar.

 

Recomendamos que todas as dúvidas que nossos leitores venham a ter sobre se podem ou não consumir leite, ou se irão ou não consumir leite, sejam tiradas com um profissional competente da área de saúde de sua confiança, achamos nós que esse é o melhor caminho.

 

Referências:

 

1 - Nutrição Contemporânea – saúde com sabor - Marcela Knibel, Dora Cardoso Assis, 2010.

 

2 - Biologia Celular e Molecular - Harvey Lodish, Arnold Berk, Chris A. Kaiser, Monty Krieger, Anthony Bretscher, Hidde Ploegh, Angelika Amon, 2014.

 

3 - Malhar, Secar, Definir - Michael Matthews, 2013.

 

4 - Viva em dieta, viva melhor: Aplicações práticas de nutrição - Rodolfo Peres, 2009.

 

5 - Princípios de Engenharia Ambiental - Mackenzie L. Davis, Susan J. Masten, 2016.

 

6 - Dicas Fitness: Falando de boa forma e saúde - Eva Andressa, 2011.

 

7 - Anatomia e Fisiologia - Edith Applegate, 2012.

 

8 - Corpo Humano - 10ed: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia - Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson, 2016.

 

9 - Ciência e tecnologia de alimentos - Geoffrey Campbell-Platt, 2015.

 

10 - Fisiologia Médica - Walter F. Boron, Emile L. Boulpaep, 2015.

 

11 - Mattar, Rejane; Mazo, Daniel Ferraz de Campos. Intolerância à lactose: mudança de paradigmas com a biologia molecular. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 56, n. 2, p. 230-236, 2010.

 

12 - Wang Y, Harvey CB, Hollox EJ, Phillips AD, Poulter M, Clay P, et al. The genetically programmed down-regulation of lactase in children. Gastroenterology. 1998;114:1230-6.

 

13 - Krause Alimentos, Nutrição e Dietoterapia - L. Kathleen Mahan, Sylvia Escott-Stump, Janice L Raymond, 2015.

 

14 - Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar - Rev. bras. alerg. imunopatol. – Vol. 31, Nº 2, 2008.

 

15 - Saúde: entendendo as doenças. A enciclopédia médica da família - Paul Kauffman, Alfredo Salim De Helito, 2007.

 

16 - A Importância do consumo de Leite no atual cenário nutricional brasileiro - Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição, 2015.

 

17 - Muniz LC, Madruga SW, Araújo CL. Consumo de Leite e derivados entre adultos e idosos no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18:12.

 



 

química