barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

37
Veja detalhes

 

A importância de fracionar os Anabolizantes Orais de 12 em 12 horas

 

  • fracionar anabolizante orais

Marcelo Calazans

Elaborado em 17/03/2016

 

Este presente texto, tem a intenção de explicar o porquê da necessidade de se fracionar a dose diária do anabolizante oral que será usado ao longo do dia.

 

Isso traz aquela velha pergunta, "vou tomar 40mg de Dianabol por dia, posso tomar 40mg uma vez por dia ou divido a dose em 20mg de 12 em 12 horas?"

 

Partindo da meia-vida do Dianabol, que é colocada em torno de 6 horas[2], fracionar a administração do Dianabol ao longo do dia, seria conveniente.

 

Fazendo isso, teríamos a chance de manter no corpo de forma mais constante, as concentrações plasmáticas do Dianabol.

 

Tudo vai depender da meia-vida da substancia usada.

 

A meia-vida é explicada em conceitos farmacêuticos, e a parte que explica sobre isso é a farmacocinética.

 

Para esse nosso exemplo aqui, tudo parte da meia-vida, que é representada por T1/2.

 

Em farmacocinética, meia-vida (T1/2), é o tempo que a concentração plasmática de fármaco no corpo demora para atingir 50% da dose inicial ingerida[1].

 

Por exemplo, se uma pessoa tomar uma dose de 100mg de um fármaco que tenha uma meia-vida de 12 horas, passadas 12 horas da ingestão dessa dose, essa pessoa teria a metade da dose inicial tomada, ou seja, 50mg. Passadas então mais 12 horas, a pessoa teria novamente a metade, ou seja, 25mg da dose inicial de 100mg tomada. Passadas então mais 12 horas, a pessoa teria novamente a metade, ou seja, 12,5mg da dose inicial de 100mg tomada. E assim sucessivamente até que toda dose tomada inicialmente de 100mg fosse completamente expelida do corpo[1].

 

Eu criei um exemplo bem fácil de entender, que serve apenas para exemplificar aqui de forma didática, para nos dar esse entendimento, e que usa uma dose de 200mg por dia de um fármaco de 12 horas de meia-vida (T1/2), usando o fármaco por 5 dias.

 

Lembrando que tecnicamente considerando cálculos de farmacocinética, poderá haver variação com relação ao exemplo apresentado abaixo, e as imagens não exprimem exatamente a realidade técnica, e são apenas hipotéticas e preparadas apenas para ilustrar e explicar o assunto.

 

A primeira imagem, mostra o caso de uma pessoa que tomou as 200mg diárias do fármaco toda de uma vez, em apenas uma administração diária:

 

meia-vida 1 fracionar

 

Note na coluna concentração plasmática, que a concentração da substância no corpo oscila muito.

 

Vamos agora colocar nessa segunda imagem, o exemplo de uma pessoa que tomou a dose diária de 200mg do fármaco, dividindo ele de 12 em 12 horas:

 

meia-vida 2 fracionar

 

Note agora na coluna concentração plasmática, que a concentração da substância no corpo oscila menos do que se comparada ao exemplo acima da pessoa que tomou tudo em uma única dose diária.

 

É exatamente nesse ponto, que colocamos que fracionar a dose da substância ao longo do dia dependendo da sua meia-vida se torna interessante.

 

Só gostaríamos de citar um erro clássico cometido por muitos ao comentar sobre o assunto, que correlacionam exatamente a meia-vida (T1/2) com o período em que o fármaco deve ser fracionado, e é errado então afirmar, que um fármaco de meia-vida (T1/2) de 6 horas por exemplo, deve ser obrigatoriamente tomado de 6 em 6 horas, e o bom entendimento sobre os conceitos passados acima, bem como a completa compreensão da definição de meia-vida (T1/2), são necessários para que as pessoas não cometam esse equívoco.

 

Existem outros conceitos de farmacocinética para serem colocados a cerca desse assunto, como Cmax, Tmax e Css, mas isso fica para uma próxima vez, pois a intenção agora era apenas criar um exemplo com a intenção didática e de simples entendimento.

 

Referências:

 

1 - Hardman, J. G.; Limbird, L. E.; Gilman, A. G. Em ref. 29, cap. 1.

 

2 - John Campbell and Andrew Preston, Steroids and other drugs used to enhance performance and image, 2016. [link] acessado em 19/03/2019.

 

Fonte da minha postagem original

 



 

química