barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

58
Veja detalhes

 

DNP – O emagrecimento que ameaça sua saúde

 

  • DNP

Marcelo Calazans

Elaborado em 19/10/2018

 

RUSSI, MC. DNP – O emagrecimento que ameaça sua saúde. Matérias Musculação, São paulo, out. 2018.

 

A pressão com a aparência física imposta pela própria sociedade, pode ser a causa da busca pelo corpo perfeito que muitas pessoas anseiam em obter.

 

Na busca por esse objetivo de perfeição, muitas pessoas cometem inúmeros exageros colocando em determinados momentos sua saúde em risco.

 

Existe um distúrbio relativamente comum, classificado como transtorno dismórfico corporal, que se caracteriza pela preocupação exagerada com leves defeitos na aparência[1].

 

Esse distúrbio tem sido relatado em todo o mundo há mais de 100 anos[2,3]. Inicialmente esse distúrbio estava mais relacionado com as características físicas localizadas no rosto[4,5] e não incluía pessoas com problema de peso corporal (gordura). Mas recentemente, alguns relatos passaram a incluir pessoas com problema de peso corporal[6,7].

 

Hoje vamos falar sobre o dinitrofenol (DNP), e felizmente esse assunto está mais restrito ao mundo do fisiculturismo[8], e dizemos felizmente pois prezamos pela saúde das pessoas.

 

Seria um atentado à saúde pública se um produto desses começasse a ser vendido no Brasil, e “damos graças” por ser difícil encontrar o produto para venda até mesmo no mercado negro.

 

Se um dia na academia ou local de treino você ouvir propostas de algo chamado DNP, corra e fique longe disso.

 

Vamos apenas a título de curiosidade científica explicar abaixo o que é esse produto usado no fisiculturismo para diminuição da gordura corporal, e explicar também a bioquímica do seu funcionamento, lembrado sempre que esse produto pode facilmente levar uma pessoa a morte[8].

 

O mundo do fisiculturismo é recheado de riscos à saúde, entre as substâncias usadas no fisiculturismo, as mais propensas a levar uma pessoa a óbito são sem sombra de dúvida na nossa opinião e na opinião de outros a insulina e o DNP, sendo que consideramos o DNP como potencialmente letal.

 

Muitos dos hábitos e práticas perigosas existentes no fisiculturismo, como os esteroides anabolizantes, migraram para as academias, e hoje acabaram infelizmente virando rotina básica de muitos praticantes de musculação amadores.

 

Apesar de termos aqui no Matérias Musculação uma equipe de grande vivência no fisiculturismo, sempre relutamos em escrever sobre coisas como a insulina e o DNP, pois consideramos temas muito fortes.

 

Mas como nosso dever aqui é alertar as pessoas, vamos hoje falar sobre o DNP na tentativa de impedir que isso um dia vire modismo no Brasil, pois como dissemos no início, as pessoas as vezes cometem verdadeiras “loucuras” em nome da forma física.

 

O DNP é usado na indústria química, e é comum encontra-lo para uso como herbicida[8].

 

Na primeira guerra mundial, os franceses utilizaram o DNP para fabricar munições de guerra[9], pois combinando ele com o ácido pícrico, pode-se produzir armamentos[8].

 

Após o seu uso na primeira guerra mundial, um pesquisador de nome Maurice Tainter da Universidade de Stanford, descobriu em 1933 que o consumo de DNP produzia em humanos a perda de peso[10].

 

Vamos abaixo explicar a forma bioquímica do DNP na perda de peso.

 

As células do nosso corpo retiram de uma molécula chamada ATP a energia que precisam para funcionar, podemos dizer que o ATP é o “motor químico” que mantém nossas células em funcionamento[11].

 

O processo de formação do ATP no nosso corpo é contínuo, pois nossas células se mantêm em atividade durante as 24 horas do dia, nosso corpo se esforça então para que tenhamos sempre ATP pronto para ser utilizado pelas células na forma de energia.

 

Esse conceito é importante para entender como age o DNP no emagrecimento.

 

O método de síntese (produção do ATP) pode ser chamado de fosforilação oxidativa. Cerca de 90% do ATP gerado tem origem neste processo[12].

 

Para que a fosforilação oxidativa aconteça, nós devemos prover para esse sistema a matéria prima necessária para o seu funcionamento, e a matéria prima que o nosso corpo utiliza vem da oxidação dos alimentos que ingerimos em nossas refeições[13].

 

Podemos dizer, portanto, que os alimentos (calorias) que ingerimos ao longo do dia, serão utilizados pelo nosso corpo para produzir o ATP que nossas células irão utilizar como fonte de energia ao longo do dia, como mostra a figura abaixo:

 

ATP - fosforilação oxidativa

 

Entendido isso até agora, vamos partir para a explicação do DNP.

 

O DNP quando utilizado em humanos resulta em um desacoplamento da fosforilação oxidativa[14], ou seja, ele impede que o ATP possa ser criado dentro do processo descrito acima.

 

Em termos mais técnicos, podemos dizer que o DNP interfere no ciclo de Krebs que teria como finalidade a produção de ATP na mitocôndria juntamente com o CO2 (dióxido de carbono) e H2O (água). Neste processo, o normal seria o ADP (adenosina difosfato) se transformar no ATP (adenosina trifosfato) através da adição de fosfato inorgânico na via final de produção de energia, mas o DNP tem o potencial de intervir neste processo[14,15,16].

 

Essa alteração feita no ciclo de Krebs, faz com que a energia que seria usada para formar o ATP seja apenas dissipada na forma de calor, gerando assim um rápido consumo de calorias[17,18].

 

Esse súbito aumento de calor acaba resultando em uma falha no equilíbrio corporal, que leva a uma hipertermia descontrolada[19].

 

Em outras palavras, o DNP envenena o corpo impedindo que ele produza aquilo que é mais precioso para o funcionamento das células que compõem nosso organismo, que é o ATP (energia das células).

 

Tentar perder peso dessa maneira não parece muito sábio, e nos parece mais uma estupidez do que uma sapiência.

 

Mas como dissemos no início, as pessoas fazem as vezes coisas muito estúpidas afim de se obter o tão sonhado “corpo perfeito”, como podemos ver nos recentes casos de óbito por embolia pulmonar causados por procedimentos “estéticos” com PMMA.

 

Já nos antevendo, estamos criando essa postagem aqui para que as pessoas fiquem longe do DNP, pois tememos pela saúde pública e avisamos hoje para que isso no futuro não se torne popular, assim como se tornaram populares outras práticas danosas que levam a óbito, como as aplicações de PMMA visando “melhorias” nos glúteos.

 

Lembrem-se, um corpo bonito por fora não é necessariamente um corpo saudável por dentro.

 

Referências:

 

1 - Bjornsson, Andri S., Elizabeth R. Didie, and Katharine A. Phillips. “Body Dysmorphic Disorder.” Dialogues in Clinical Neuroscience 12.2 (2010).

 

2 - Phillips, K. A. (2009). Understanding body dysmorphic disorder: An essential guide. New York, NY, US: Oxford University Press.

 

3 - Phillips KA. Body dysmorphic disorder: the distress of imagined ugliness. Am J Psychiatry. 1991;148:1138–1149.

 

4 - Veale D, Boocock A, Gournay K, Dryden W, Shah F, Willson R, Walburn J., Body dysmorphic disorder. A survey of fifty cases., Br J Psychiatry. 1996 Aug;169(2):196-201.

 

5 - Phillips KA, McElroy SL, Keck PE Jr, Pope HG Jr, Hudson JI., Body dysmorphic disorder: 30 cases of imagined ugliness., Am J Psychiatry. 1993 Feb;150(2):302-8.

 

6 - Rosen JC, Reiter J, Orosan P., Assessment of body image in eating disorders with the body dysmorphic disorder examination., Behav Res Ther. 1995 Jan;33(1):77-84.

 

7 - Veale D, Kinderman P, Riley S, Lambrou C., Autodiscrepância no transtorno dismórfico corporal., Br J Clin Psychol. Jun 2003; 42 (Pt 2): 157-69.

 

8 - Steve Shaw, Are Bodybuilders Dying for DNP?, October 4, 2015. [link] acessado em 19/10/2018.

 

9 - JCutting WC, Mehrtens HG, Tainter ML. Actions and uses of dinitrophenol. JAMA. 1933;101:193–195.

 

10 - Tainter ML, Stockton AB, Cutting WC. Use of dinitrophenol in obesity and related conditions. A progress report. JAMA. 1933;101:1472–1475.

 

11 - Anatomia e Fisiologia., Elaine N. Marieb, Katja Hoehn., Artmed Editora, 1 de jan de 2009.

 

12 - Biologia de Campbell, Jane B. Reece, Steven A. Wasserman, Lisa A. Urry, Michael L. Cain, Peter V. Minorsky, Robert B. Jackson, 2015.

 

13 - Fundamentos da Biologia Celular, Bruce Alberts, Dennis Bray, Karen Hopkin, Alexander Johnson, Julian Lewis, Martin Raff, Keith Roberts, Peter Walter, 2017.

 

14 - Grundlingh, Johann et al. “2,4-Dinitrophenol (DNP): A Weight Loss Agent with Significant Acute Toxicity and Risk of Death.” Journal of Medical Toxicology 7.3 (2011).

 

15 - Rognstad, Robert, and Joseph Katz. “The Effect of 2,4-Dinitrophenol on Adipose-Tissue Metabolism.” Biochemical Journal 111.4 (1969).

 

16 - Issekutz B Jr., Effect of propranolol in dinitrophenol poisoning., Arch Int Pharmacodyn Ther. 1984 Dec;272(2):310-9.

 

17 - Wallace KB, Starkov AA., Mitochondrial targets of drug toxicity., Annu Rev Pharmacol Toxicol. 2000;40:353-88.

 

18 - McFee RB, Caraccio TR, McGuigan MA, Reynolds SA, Bellanger P., Dying to be thin: a dinitrophenol related fatality., Vet Hum Toxicol. 2004 Oct;46(5):251-4.

 

19 - Hoch FL, Hogan FP., Hyperthermia, muscle rigidity, and uncoupling in skeletal muscle mitochondria in rats treated with halothane and 2,4-dinitrophenol., Anesthesiology. 1973 Mar;38(3):237-43.

 



 

química