barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

49
Veja detalhes

 

A Relação entre Diabetes e Obesidade

 

  • Diabetes

Marcelo Calazans

Elaborado em 11/11/2017

 

RUSSI, MC. A relação entre diabetes e obesidade. Matérias Musculação, São paulo, nov. 2017.

 

A Diabetes pode ser mais antiga do que imaginamos. Problemas clínicos semelhantes já eram descritos há cerca de 3000 anos atrás pelos antigos egípcios.

 

O termo “diabetes” foi proposto inicialmente por Araetus de Cappodocia, e mais tarde o médico britânico Thomas Willis adicionaria a palavra “mellitus” (mel doce) depois de descobrir a doçura na urina dos pacientes[1].

 

Muitos processos no nosso corpo são controlados por substâncias chamadas de hormônios. Eles são mensageiros químicos que levam informações a diversas partes do corpo, controlando funções vitais do nosso organismo[2].

 

Existe um hormônio que está ligado diretamente com a Diabetes, a insulina.

 

A insulina é um hormônio produzido pelas células endócrinas do pâncreas e ela desempenha diversas tarefas no nosso corpo. Ela estimula as reações anabólicas relacionada com os carboidratos, gorduras e proteínas. Ela ainda executa a importante tarefa de controlar os níveis de glicose do sangue, estimulando a captura e o uso da glicose por diversos tecidos do nosso corpo, como por exemplo, o nosso tecido muscular[3,4].

 

Podemos dizer que as células dos tecidos insulino-dependentes que precisam de glicose, dependem da insulina para que a glicose possa chegar até elas.

 

Vemos então uma sinergia entre glicose e insulina, e logo após uma refeição rica em carboidratos, a glicose que foi absorvida para o sangue após a refeição, causa uma rápida liberação de insulina, que irá fazer com que a glicose seja prontamente utilizada por quase todos os tecidos do nosso organismo[5].

 

A Diabetes é caracterizada pela elevação da glicose no sangue, ou hiperglicemia, e ela pode ocorrer devido a deficiência na produção ou na ação da insulina, que irá fazer com que a glicose se acumule no sangue.

 

São dois os tipos de Diabetes que vamos abordar aqui nesta matéria, a Diabetes tipo I e tipo II.

 

A Diabetes tipo I pode ser um problema de origem autoimune[6].

 

O sistema imunológico age no processo de defesa do organismo contra invasores, como por exemplo os microrganismos nocivos à saúde.

 

A doença autoimune ocorre quando há um erro interpretativo do nosso sistema imunológico. Neste momento o sistema imunológico passa a reconhecer como estranho um órgão normal do nosso corpo[7], e promove assim o ataque aos próprios tecidos do corpo.

 

Na Diabetes tipo I as células T CD4+ e CD8+ reconhecem os antígenos pancreáticos e destroem as células β nas ilhotas de langerhans do pâncreas que produzem a insulina[6].

 

Isso faz da Diabetes tipo I um caso em que a pessoa perde a capacidade de produzir a insulina devido a uma insuficiência pancreática.

 

Já na Diabetes tipo II, o que pode ser apontado como seu principal causador, é a resistência à ação da insulina[8].

 

A resistência à insulina pode ser descrita como um estado em que ocorre uma menor captação de glicose pelos tecidos, esses tecidos passam a não responder pela ação da insulina.

 

A obesidade pode ser apontada como uma causa da Diabetes tipo II.

 

Conforme a pessoa vai se tornando obesa, existe a tendência da pessoa ir ficando cada vez mais resistente à ação da sua própria insulina[9].

 

Os dados estatísticos da Diabetes tipo II são alarmantes, pois a prevalência da Diabetes tipo II sobre a Diabetes tipo I é alta.

 

Uma pesquisa feita nos EUA em 2010 apresentava que 95% dos 25 milhões de diabéticos eram portadores da Diabetes tipo II[10].

 

Hoje em dia, segundo citam algumas fontes, a Diabetes tipo II já é considerada como uma epidemia que exige atenção global e ação urgente[11].

 

O estilo de vida pode estar diretamente ligado com a ocorrência da Diabetes tipo II, e a obesidade é o principal fator de risco para o seu desenvolvimento[11,12].

 

Ao contrário do que muitos pensam, nosso tecido adiposo onde a gordura do nosso corpo é estocada, não é um tecido inerte que apenas serve de reservatório de gordura, pois ele na verdade é um tecido metabolicamente ativo[13].

 

O nosso tecido adiposo (gordura) é um órgão endócrino funcional, que age liberando substâncias chamadas adipocinas que atuam controlando a homeostase energética, o mecanismo central da fome, inflamação sistêmica, aterogênese e a resistência à insulina[14].

 

A obesidade é caracterizada pela superprodução de adipocinas inflamatórias pelo tecido adiposo, e isso pode ser a ligação entre a obesidade e a Diabetes[15].

 

As adipocinas podem ser definidas como um grupo de mais de 600 substâncias bioativas produzidas pelo tecido adiposo, e entre elas podemos citar algumas: adiponectina, leptina, TNFα, interleucina IL-6, resistina e visfatina[16].

 

Um estudo[17] conduzido em 2001, apontava como descoberta a relação da Diabetes tipo II com a adipocina resistina produzida pelo tecido adiposo.

 

Embora atualmente os pesquisadores ainda se encontrem divididos com relação ao fato da resistina ser a responsável pela Diabetes tipo II[18,19], existe o pensamento de que as adipocinas produzidas pelo tecido adiposo podem estar ligadas com a resistência à insulina e a Diabetes tipo II[14,15,16].

 

Portanto, a melhor prevenção que podemos ter com relação a Diabetes tipo II é evitar a obesidade, conduzindo sua rotina e estilo de vida para um padrão de qualidade mais saudável.

 

Referências:

 

1 - History of diabetes mellitus., Ahmed AM, Saudi Med J. 2002 Apr;23(4):373-8.

 

2 - Fundamentos de enfermagem - Patricia Potter, Anne Perry, 2014.

 

3 - Biologia celular e molecular, Gerald Karp, Editora Manole Ltda, 2005.

 

4 - Current Cirurgia: Diagnóstico e Tratamento, Gerard M. Doherty, 2017.

 

5 - Guyton E Hall Tratado De Fisiologia Médica, John E. Hall, 2017.

 

6 - Filippi, Christophe M., and Matthias G. von Herrath. “Viral Trigger for Type 1 Diabetes: Pros and Cons.” Diabetes 57.11 (2008): 2863–2871. PMC. Web. 10 Nov. 2017.

 

7 - Tireoide para todos, Antonio Carlos do Nascimento, Matrix Editora, 3 de nov de 2016.

 

8 - Interleukin-6 and Diabetes -The Good, the Bad, or the Indifferent?, Ole P. Kristiansen and Thomas Mandrup-Poulsen, Diabetes, vol. 54, supplement 2, december 2005.

 

9 - Diabete Para Leigos, Alan L. Rubin, Alta Books Editora, 31 de dez de 2008.

 

10 - Hill, Jacqueline, Marcia Nielsen, and Michael H Fox. “Understanding the Social Factors That Contribute to Diabetes: A Means to Informing Health Care and Social Policies for the Chronically Ill.” The Permanente Journal 17.2 (2013): 67–72. PMC. Web. 11 Nov. 2017.

 

11 - Type 2 Diabetes: An Epidemic Requiring Global Attention and Urgent Action, William H. Herman, Paul Zimmet, Diabetes Care May 2012, 35 (5) 943-944; DOI: 10.2337/dc12-0298.

 

12 - Body adiposity and type 2 diabetes: increased risk with a high body fat percentage even having a normal BMI., Gómez-Ambrosi J, Silva C, Galofré JC, Escalada J, Santos S, Gil MJ, Valentí V, Rotellar F, Ramírez B, Salvador J, Frühbeck G, 2011.

 

13 - Specific metabolic rates of major organs and tissues across adulthood: evaluation by mechanistic model of resting energy expenditure, Am J Clin Nutr. 2010.

 

14 - Adipocinas: uma visão geral dos seus efeitos metabólicos, Amélio Godoy-Matos, Ivan Cruz, Rafael da Costa, Wellington Silva Júnior, Brazilian Adipokines Study Group, Revista HUPE, Rio de Janeiro, 2014;13(1):54-60.

 

15 - Ohman M. K., Shen Y., Obimba C. I., Wright A. P., Warnock M., Lawrence D. A., Visceral adipose tissue inflammation accelerates atherosclerosis in apolipoprotein E-deficient mice., 2008.

 

16 - Freitas Lima, Leandro C. et al. “Adipokines, Diabetes and Atherosclerosis: An Inflammatory Association.” Frontiers in Physiology 6 (2015): 304. PMC. Web. 11 Nov. 2017.

 

17 - Berger, Abi. “Resistin: A New Hormone That Links Obesity with Type 2 Diabetes.” BMJ : British Medical Journal 322.7280, 2001.

 

18 - Kusminski CM, McTernan PG, Kumar S. Role of resistin in obesity, insulin resistance and Type II diabetes., Clin Sci (Lond). 2005 Sep;109(3):243-56.

 

19 - Stejskal D, Adamovská S, Bartek J, Juráková R, Prosková J., Resistin - concentrations in persons with type 2 diabetes mellitus and in individuals with acute inflammatory disease., Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub. 2003 Nov;147(1):63-9.

 



 

química