barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

21
Veja detalhes

 

Importância da Coenzima Q10 na Saúde e Atividade Física

 

  • Q10

Marcelo Calazans

Elaborado em 04/10/2017

 

RUSSI, MC. Importância da coenzima Q10 na saúde e atividade física. Matérias Musculação, São paulo, out. 2017.

 

Nossa respiração que estamos acostumados a realizar de forma involuntária que envolve nossos pulmões e demais estruturas do sistema respiratório existe, para que possamos realizar internamente no nosso corpo um outro tipo de respiração que é essencial para a vida, que é a respiração celular aeróbica.

 

Para entender a importância da coenzima Q10 na saúde do nosso corpo, é necessário entender antes alguns passos básicos da nossa respiração celular.

 

Célula

 

Acima temos a ilustração de uma célula contendo seus componentes internos, e vemos em destaque em vermelho um componente de extrema importância para a respiração celular, a mitocôndria, que apesar de ter um nome complicado, executa uma simples e importante tarefa, que é a respiração celular[1].

 

Nossas células retiram de uma substância chamada ATP (adenosina trifosfato) a energia que precisam para funcionar[2].

 

Podemos então para facilitar o entendimento, chamar o ATP de “bateria de energia” da célula, que fica disponível e carregada para ser utilizada sempre que nossas células precisarem de energia para cumprir suas tarefas de funcionamento.

 

Ao utilizarmos a energia do ATP, a nossa “bateria” passa para um estado “descarregado”, e neste estado descarregado ela é chamada de ADP (adenosina difosfato)[3].

 

Neste ponto nosso corpo precisa “recarregar nossa bateria”, ou seja, transformar o ADP em ATP, e nosso corpo faz isso constantemente mantendo um equilíbrio entre ATP e ADP.

 

A recarga aeróbica do ATP, que também pode ser chamada de conversão de ADP em ATP, é feita na mitocôndria, e essa recarga do ATP feita na mitocôndria só pode ser realizada na presença do oxigênio.

 

Esse processo vital de obtenção do ATP através do oxigênio chamamos de respiração celular aeróbica[4].

 

A coenzima Q10 desempenha um papel importante neste processo de respiração celular, pois ela é essencial como transportadora de elétrons na cadeia respiratória mitocondrial[5], possibilitando que todo esse processo descrito acima de respiração celular aeróbica possa acontecer.

 

Podemos também chamar a coenzima Q10 de ubiquinona, e ela é uma quinona natural que se encontra na maioria dos organismos aeróbicos, desde as bactérias até os mamíferos[6].

 

Apesar de estar em evidência nos dias atuais nas prateleiras das lojas, a sua descoberta data de 1940 quando foi identificada pela primeira vez, e posteriormente em 1957 ela seria isolada das mitocôndrias do coração da vaca[6].

 

Nosso próprio corpo tem a capacidade de sintetizar a coenzima Q10 naturalmente, e ela se encontra presente na maioria dos tecidos humanos, mas podemos encontrar concentrações mais altas no coração, fígado, rins e pâncreas. A quantidade de coenzima Q10 presente nos tecidos tende a declinar com a idade mais avançada[7].

 

Além de funcionar como coadjuvante da respiração celular aeróbica, a coenzima Q10 pode também ser benéfica como antioxidante.

 

A respiração celular citada acima e colocada como essencial para a nossa vida, pode nos trazer um problema, os radicais livres.

 

Os radicais livres podem ser um átomo ou molécula altamente reativo, que contêm número ímpar de elétrons em sua última camada eletrônica[8], e comumente eles são associados aos problemas de saúde.

 

Poderíamos dizer então que a nossa respiração que nos traz a vida poderia nos deixar doentes?

 

- É isso mesmo, pois a formação de radicais livres pelo organismo, que acaba sendo inevitável durante o processo de respiração celular nas mitocôndrias[8], pode ser nociva para a nossa saúde podendo causar danos ou até a morte celular[9].

 

Os danos causados pelos radicais livres podem estar associados a diversas doenças, entre elas artrite, aterosclerose, câncer, cardiopatias, diabetes, disfunção cerebral, e doenças do sistema imune, podendo ainda estar relacionado com o envelhecimento[10].

 

Mas o nosso corpo tem uma linha de defesa contra isso, e essa linha de defesa está ligada aos antioxidantes.

 

Os antioxidantes são substâncias que atuam neutralizando os radicais livres[11].

 

Existem diversas substâncias antioxidantes, entre elas por exemplo, podemos citar uma vitamina conhecida, a vitamina E.

 

A coenzima Q10, além de participação importante no processo de respiração celular, também tem investigado seu papel antioxidante, no qual atualmente seu uso clínico já é aceito, e a administração oral de coenzima Q10 consiste em uma estratégia antioxidante frequente em muitas doenças, podendo propiciar um benefício sintomático significativo[12].

 

Com relação aos nossos leitores praticantes de atividades físicas, a coenzima Q10 também pode exercer papel importante neste aspecto.

 

Um estudo[13], que avaliou o efeito da suplementação de 14 dias com a coenzima Q10 no desempenho do exercício físico, constatou uma menor taxa de estresse oxidativo com a suplementação da coenzima Q10. Verificou-se neste período, que os níveis de malondialdeído (MDA) sérico, que determina indiretamente a intensidade do estresse oxidativo, foi positivo no grupo que utilizou a coenzima Q10 como suplemento.

 

Isso deixa para o futuro uma gama enorme de possibilidades no uso da coenzima Q10, e com certeza futuramente ainda estaremos acompanhando diversos estudos e pesquisas sobre o assunto.

 

Referências:

 

1 - Fundamentos da Biologia Celular, Bruce Alberts, Dennis Bray, Karen Hopkin, Alexander Johnson, Julian Lewis, Martin Raff, Keith Roberts, Peter Walter, 2017.

 

2 - A Célula - 3ed: Uma Abordagem Molecular Geoffrey M. Cooper, Robert E. Hausman, 2016.

 

3 - Microbiologia - Gerard J. Tortora, Christine L. Case, Berdell R. Funke, 2016.

 

4 - Bioquímica: guia de aulas práticas - José Oscar dos Reis Remião, Antônio João Sá de Siqueira, Ana Maria Ponzio de Azevedo, 2003.

 

5 - Coenzyme Q10, National Center for Biotechnology Information. PubChem Compound Database; CID=5281915, [link] acessado em 04/10/2017.

 

6 - Saini, Rajiv. “Coenzyme Q10: The Essential Nutrient.” Journal of Pharmacy and Bioallied Sciences 3.3 (2011): 466–467. PMC. Web. 30 Sept. 2017.

 

7 - Ernster L, Forsmark-Andrée P: Ubiquinol: an endogenous antioxidant in aerobic organisms. Clin Investig 71 (8 Suppl): S60-5, 1993.

 

8 - Methods of the Antioxidant Defense: A Literature Review,Cotinguiba GG, Silva JRN, Azevedo RRS, Rocha TJM, Santos AF, 2013.

 

9 - Anderson, D. Antioxidant defences against reactive oxygen species causing genetic and other damage. Mutation Research, Amsterdam, v.350, n.1, p.103-108, 1996.

 

10 - Radicais livres e os principais antioxidantes da dieta - Maria de Lourdes Pires Bianchi, Lusânia Maria Greggi Antunes, Rev. Nutr., Campinas, 12(2): 123-130, maio/ago., 1999.

 

11 - Guia de Alimentação Natural, Dr. Luiz Alberto Fagundes, 2003.

 

12 - Garrido-Maraver, Juan et al. “Coenzyme Q10 Therapy.” Molecular Syndromology 5.3-4 (2014): 187–197. PMC. Web. 30 Sept. 2017.

 

13 - Cooke, Matthew et al. “Effects of Acute and 14-Day Coenzyme Q10 Supplementation on Exercise Performance in Both Trained and Untrained Individuals.” Journal of the International Society of Sports Nutrition 5 (2008): 8. PMC. Web. 30 Sept. 2017.

 



 

química