barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

143
Veja detalhes

 

Suplemento BCAA e a sua real necessidade

 

  • BCAA

Marcelo Calazans

Elaborado em 04/05/2017

 

RUSSI, MC. Suplemento BCAA e a sua real necessidade. Matérias Musculação, São paulo, mai. 2017.

 

Antes de começarmos a falar diretamente do BCAA, devemos entender o que são aminoácidos, e porque alguns deles são essenciais ou não-essenciais.

 

Toda proteína é formada por unidades chamadas de aminoácidos. A função mais importante dos aminoácidos é na formação de proteínas específicas, como por exemplo, os próprios tecidos do nosso corpo, no qual podemos citar o tecido muscular[1,2].

 

Portanto a nossa pele, nossos músculos e órgãos internos são formados por aminoácidos, e nós devemos então, prover ao nosso corpo a quantidade correta de aminoácidos para que ele possa funcionar da forma mais perfeita possível, e esses aminoácidos acabam vindo da nossa alimentação, e sempre que ingerimos uma proteína nas nossas refeições, nós estamos de certa forma, ingerindo os aminoácidos.

 

Os aminoácidos são classificados em aminoácidos essenciais e não-essenciais[3], como mostra a tabela abaixo:

 

EssenciaisNão-Essenciais
FenilalaninaÁcido Aspártico
HistidinaÁcido Glutâmico
IsoleucinaAlanina
LeucinaArginina
LisinaAsparagina
MetioninaCisteína
TreoninaGlicina
TriptofanoGlutamina
ValinaProlina
 Serina
 Tirosina

 

Os aminoácidos essenciais citados acima, são aqueles que devem existir na nossa alimentação obrigatoriamente, pois nosso corpo não tem a capacidade de sintetiza-los[4], portanto, devemos ingerir quantidades deles diariamente em nossas refeições.

 

O BCAA é um conjunto de três aminoácidos essenciais: valina, leucina e isoleucina[5], que devem necessariamente ser ingeridos diariamente por todos nós, e que são denominados "branched chain amino acids", ou "aminoácidos de cadeia ramificada".

 

Ao longo do dia, na nossa alimentação normal, estamos constantemente ingerindo BCAA.

 

A ingestão de BCAA é maior nas proteínas com alto valor biológico, pois proteína de alto valor biológico, é aquela que contém uma maior quantidade de aminoácidos essenciais[6].

 

Acompanhe abaixo, uma relação extraída do banco de dados de proteína da "Food and Agriculture Organization of the United Nations - The Amino Acid Content of Foods and Biological Data on Proteins", que registra a classificação do valor biológico de algumas fontes de proteína mais conhecidas:

 

AlimentosClassificação
Ovo (inteiro)100
Leite de Vaca91
Clara de ovo88
Peixe83
Carne Vermelha80
Frango79
Arroz59
Feijão49

 

SuplementosClassificação
Whey Protein Isolado110 - 159
Whey Protein Concentrado100 - 104
Albumina85 - 88
Caseína77
Proteína de Soja74

 

Portanto podemos dizer, que os alimentos formados por proteínas de maior valor biológico, são aqueles que provavelmente irão nos oferecer maiores quantidades de BCAA.

 

Valina, leucina e isoleucina (BCAA) representam cerca de 35% dos aminoácidos essenciais nas proteínas musculares[7], se considerarmos então, que a quantidade de tecido muscular de um ser humano pode ser bem elevada, podemos ver por esse exemplo, que a quantidade de BCAA utilizada na formação de proteínas teciduais no corpo humano é grande.

 

Existe muita polêmica sobre o fato do BCAA ajudar ou não diretamente no crescimento muscular.

 

Trazemos então para demostrar isso, um estudo[8] feito em ratos, que demostrou que o efeito anabólico produzido por uma mistura completa de vários aminoácidos, pode ser reproduzida de forma igual através do fornecimento de uma mistura contendo apenas BCAA.

 

Esse efeito citado no estudo acima, poderia ser explicado e atribuído a um dos aminoácidos presentes no BCAA, a leucina[7].

 

A leucina de algum modo, parece exercer uma espécie de gatilho para a síntese proteica.

 

O mecanismo pelo qual a leucina estimula a síntese proteica, pode estar relacionado ao efeito que ela causa na ativação de uma proteína quinase denominada "alvo da rapamicina em mamíferos" ou "mammalian Target of Rapamycin" ( mTOR), e isso ocorre quando a concentração intracelular de leucina é aumentada[7].

 

Por isso que se tornou comum em alguns meios, a suplementação isolada de leucina. Pois o mTOR, é tido como estimulador da síntese proteica através da sua ação em proteínas regulatórias chave do processo[7].

 

Durante o período em que se realiza exercícios físicos, ocorre a captação de diversos aminoácidos pelo tecido muscular, e entre eles o BCAA. Isso pode ser demostrado nos casos de períodos extensos de exercícios, nos quais se verifica a liberação mais acentuada de BCAA do tecido hepático aliada a uma diminuição da concentração plasmática de BCAA[7,9].

 

Durante a prática de exercícios físicos, alguns aminoácidos acabam sendo oxidados pela nossa musculatura, e podemos citar os BCAA, aspartato, glutamato e asparagina, sendo que a preferência neste processo, é pelo BCAA[10].

 

Por essa descrição acima, poderíamos dizer que o uso de BCAA é imprescindível para o praticante de atividades físicas e musculação, e realmente ele é, pois como já dissemos, o BCAA é essencial para todas as pessoas, pois nosso corpo não dispõem de mecanismos para sintetiza-lo, e isso acaba tornando os três aminoácidos presentes no BCAA essenciais.

 

Mas devemos lembrar também, de outra coisa que já dissemos acima, que já existe BCAA na nossa alimentação diária, principalmente nos alimentos ricos em proteínas de alto valor biológico, o que nos leva a concluir, que é perfeitamente possível se obter bons resultados de crescimento de massa muscular sem suplementar BCAA.

 

• Mas qual seria a vantagem então em suplementar o BCAA?

 

Com relação à suplementação de BCAA, por haver diversos estudos[11,12,13,14], que apoiam a ideia do benefício do BCAA para o praticante de musculação, podemos dizer que pode haver benefício com a suplementação de BCAA.

 

Vamos descrever abaixo, dois conhecidos estudos sobre a modulação nas concentrações de testosterona associada à suplementação de BCAA:

 

► No primeiro estudo[13], foi realizado um teste de corrida de 1 hora com 14 corredores com idades entre 24 e 42 anos. Neste estudo de corrida, foi sugerido que a suplementação de BCAA afetou as concentrações de testosterona, e que ela aumentou durante o período de recuperação pós exercício.

 

► Já no segundo estudo[14], esse realizado com 8 praticantes de musculação bem treinados, constatou-se que os níveis de testosterona foram aumentados durante e após o treinamento de resistência, enquanto os níveis de cortisol, foram significativamente menores.

 

Mas antes de avaliar qualquer suplementação, primeiramente devemos dizer, que não adianta querer benefícios com qualquer suplementação tendo uma dieta que seja insuficiente para o seu objetivo, e neste caso, colocamos sempre que nenhum suplemento poderia ajudar, nem mesmo o BCAA.

 

Para aqueles que já possuem uma dieta adequada, um treino consistente, possuindo também boa disciplina e descanso sempre adequado, é preciso avaliar caso a caso. Pois acreditamos, que existem casos em que a demanda por BCAA pode ser maior, e que se justifique, portanto, uma suplementação de BCAA.

 

Mas antes de partir para o BCAA, não vá pensando que ele irá resolver todos os seus problemas, e leve em consideração se seu caso, está ou não demandando mais BCAA, pois sua dieta e outros suplementos proteicos, como whey protein e albumina, que muitos utilizam, já possuem boas quantidades de BCAA.

 

Nunca se apoie em apenas um suplemento achando que ele irá resolver todos os seus problemas, e com base em tudo que foi dito aqui, deixamos nossos leitores livres para decidirem se seu caso em específico, seria um caso no qual a suplementação de BCAA seria justificável.

 

Referências:

 

1 - Coomes, M. W. in Devlin, T. M. Manual de Bioquímica com Correlações Clínicas. São Paulo: Edgard Blucher, 1998.

 

2 - Hirschbruch, Márcia Daskal; Carvalho, Juliana Ribeiro. Nutrição Esportiva: uma visão prática. São Paulo: Manole, 2002.

 

3 - Guyton E Hall Tratado De Fisiologia Médica, John E. Hall, Arthur C. Guyton, 2011.

 

4 - Bioquímica Médica, John Baynes, Marek H. Dominiczak, 2015.

 

5 - Bioquímica: libro de texto con aplicaciones clínicas, Thomas M. Devlin, 2004.

 

6 - Soja Qualidade de Vida e Saúde com Prazer e Sabor, Mario Bouyssounade Rivas, 2006.

 

7 - Aspectos atuais sobre aminoácidos de cadeia ramificada e exercício físico, Marcelo Macedo Rogero, Julio Tirapegui - Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences vol. 44, n. 4, out./dez., 2008.

 

8 - Garlick, P.J.; Grant, I. Amino acid infusion increases the sensitivity of muscle protein synthesis in vivo to insulin. Effect of branched-chain amino acids. Biochem. J., v.254, n.2, p.579-584, 1998.

 

9 - Mero, A. Leucine supplementation and intensive training. Sports Med., v.27, n.6, p.347-358, 1999.

 

10 - Wagenmakers, A.J. Muscle amino acid metabolism at rest and during exercise: role in human physiology and metabolism. Exerc. Sport Sci. Rev., v.26, n. p.287-314, 1998.

 

11 - Nutraceutical effects of branched-chain amino acids on skeletal muscle, Shimomura Y, Yamamoto Y, Bajotto G, Sato J, Murakami T, Shimomura N, Kobayashi H, Mawatari K., J Nutr. 2006 Feb;136(2):529S-532S.

 

12 - Branched-chain amino acids activate key enzymes in protein synthesis after physical exercise, Blomstrand E, Eliasson J, Karlsson HK, Köhnke R., J Nutr. 2006 Jan;136(1 Suppl):269S-73S.

 

13 - Changes in the exercise-induced hormone response to branched chain amino acid administration. Carli G, Bonifazi M, Lodi L, Lupo C, Martelli G, Viti A., Eur J Appl Physiol Occup Physiol. 1992;64(3):272-7.

 

14 - Amino Acid Supplements and Recovery from High-Intensity Resistance Training, Sharp, Carwyn P M; Pearson, David R, Journal of Strength & Conditioning Research: April 2010 - Volume 24 - Issue 4 - pp 1125-1130.

 



 

química