barra dúvida um
barra dúvida dois
site dúvida
logo musculação
casal fitness
lupa

Enciclopédia do Fisiculturismo

© Copyright

mail barra
Botão Menu

LinkedIn
botão calculadoras
título calculadoras
fecha calc
calculadora bf calculadora tmb calculadora imc

fecha visi

Usuários On-Line

Veja o que estão acessando

 

• não estão excluídos desta relação os acessos feitos por robôs (bots)

• contabilizados os acessos totais nos últimos 30 minutos

106
Veja detalhes

 

Arthur Jones, dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

 

  • Arthur Jones dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

Marcelo Calazans

Elaborado em 26/07/2016

 

Foram várias as pessoas que contribuíram para termos hoje o que conhecemos pela musculação que é praticada nas academias, e muitas vezes nos deparamos com algo que envolve a musculação, sem ter na verdade a noção de onde aquilo se originou.

 

Uma pessoa que colaborou muito com a evolução da musculação e do fisiculturismo foi Arthur Allen Jones (1926 - 2007), mais conhecido como Arthur Jones[1].

 

Arthur Jones dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

 

Ele foi o inventor da máquina Nautilus, e em meados de 1960 ele idealizou uma máquina de fitness que acomodaria melhor o movimento humano[2].

 

Arthur Jones dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

 

Ele foi o pioneiro da empresa de equipamentos Nautilus, e em 1986, ele venderia sua parte de participação na empresa[2].

 

Graças ao pioneirismo de Jones, podemos dizer que as máquinas que temos hoje nas academias, foram contribuição do surgimento da máquina Nautilus em 1970 idealizada e patenteada por Arthur Jones.

 

Mas não foi apenas essa a participação de Jones na evolução da musculação e do fisiculturismo, ele iria mais além disso ainda com a criação de ideias e metodologia de treinamento.

 

Na parte de treinamento, ele foi o idealizador do método Nautilus, também conhecido como HIT (high intensity training), que foi originalmente criado na década de 1970 pela equipe de pesquisadores da Nautilus Sports/Medical Inc., composta por Jones, Darden e Peterson (Darden, 1984; Godoy, 1994).

 

Os princípios fundamentais desta técnica colocam que as seções de treino devem ser curtas, pouco frequentes e com mais descanso entre os dias de treino, e apesar de curtas as seções de treino, o período em que se passa treinando deve ser muito intenso.

 

Os exercícios devem ser realizados com um elevado nível de esforço e intensidade, e se pensa que desta forma eles irão estimular o organismo a produzir um maior aumento na força muscular e volume.

 

São várias as contribuições para execução de treinos mais intensos que essa ideia criou. Uma contribuição bem conhecida do público são os drop-sets.

 

Drop-set é a redução imediata na quantidade de peso a ser utilizado no exercício afim de que você possa continuar a completar mais repetições para esse determinado exercício[3].

 

Por exemplo, se você vai fazer 10 repetições de rosca direta com 10 quilos na barra, você faria primeiro as 10 repetições completas, e depois retiraria rapidamente cerca de 20% a 30% do peso, ou seja, cerca de 2 a 3 quilos, e sem descanso entre as séries, executaria mais uma repetição, após o termino dessa outra repetição, tiraria mais cerca de 20% a 30% do peso, e sem descanso realizaria mais uma repetição[3].

 

Semelhante a demonstração do vídeo abaixo:

 


Assistir o vídeo no YouTube

 

Vários foram os fisiculturistas que se utilizaram dessas ideias: Boyer Coe, Casey Viator, Clarence Bass, Mark Dugdale, Dorian Yates, Doug McGuff, Mike Mentzer, Ray Mentzer, e entre esses, os mais conhecidos foram Dorian Yates e Mike Mentzer.

 

Arthur Jones dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

Dorian Yates

 

O partial rep routine, era uma das técnicas preferidas de Dorian Yates.

 

Arthur Jones dos treinos intensos aos aparelhos de musculação

Mike Mentzer

 

Mike Mentzer já era um apreciador dos drop-sets, e de tanto que ele gostou da ideia dos treinos intensos, ele chegou até a criar sua própria técnica baseada no HIT chamada de Heavy-Duty (HD), tamanha a afeição que ele tinha pela ideia a favor dos treinos de alta intensidade.

 

Essas ideias acabavam alegando descansos bem acima do normal que vemos hoje em dia as vezes, com intervalos de 5 a 10 dias de descanso para cada grupo muscular a fim de treina-lo novamente (Gibala et al, 2000 apud Gentil, 2005; Sayers et al 2000 apud Gentil, 2005).

 

Vemos nisso uma disparidade até grande demais se comparada ao treino que algumas pessoas executam hoje em dia nas academias, em que uma pessoa que faz uma série por exemplo que se costuma batizar como ABC 2x, acaba dando um descanso de 72 horas, bem diferente do colocado acima, de 5 a 10 dias.

 

É reconhecido que o descanso é tão importante quanto o treino, e não é a quantidade elevada de horas por dia na academia, e nem a alta frequência dos treinos semanais que irão necessariamente prover o crescimento muscular e aumento de volume, contrariando o que os leigos e a sociedade no geral dizem, no qual colocam que para se ter crescimento muscular, deve-se passar o dia inteiro na academia e treinar 7 dias por semana, fato que não se traduz em realidade.

 

Mas as vezes até nos assustamos com os comentários de pessoas leigas, e até de obras de ficção como filmes e seriados de TV, que ainda mesmo depois de mais de 40 anos da postulação e aceitação das ideias de Jones, ainda dizem que para se ter crescimento muscular uma pessoa deve passar o dia inteiro na academia treinando, as vezes me pergunto, quantos anos ainda serão necessários para se quebrar esse paradigma ignorante.

 

Quanto mais intenso o treino realizado na academia, maior o tempo de descanso para se voltar a treinar o mesmo músculo novamente, e no caso, se a pessoa não esperar o devido tempo de descanso, o que acaba acontecendo é o que é dito por muitos, que o músculo acaba sendo "massacrado" e, portanto, não se aproveita a real capacidade de crescimento muscular que poderia haver.

 

Portanto levando essa ideia, os treinos diários devem ser curtos e intensos, e o descanso para se voltar a treinar o mesmo músculo novamente deve ser o suficiente para ter dado ao músculo o tempo correto de recuperação.

 

Essas ideias são muito positivas, e nós aqui já observamos inúmeros resultados de pessoas que adotaram essa ideologia de treino, principalmente no caso de pessoas que faziam o seu ABC 2x há muito tempo e se encontravam estagnadas nos ganhos e resultados.

 

Referências:

 

1 - Philbin, John (2004). High-Intensity Training: more strength and power in less time. Human Kinetics. ISBN 978-0-7360-4820-0.

 

2 - Andrew Martin, The New York Times. "Arthur Jones, 80, Exercise Machine Inventor, Dies." August 30, 2014. July 21, 2014.

 

3 - Jim Stoppani's Encyclopedia of Muscle & Strength, 2014.

 



 

química